terça-feira, novembro 08, 2005

Sunshinning Eternally

"When there's no love intent and this new century keeps bringing you down, all the places you have been, trying to find a love supreme".

Robbie Williams, "Supreme"

And sometimes we feel like our smile will never sunshine again, we're stuck to a moment, to a kiss, to a look, but our soul will sparke again when the rainbow erases the storm when the sun borns with a new shine. Our soul sunhines eternally, our smile can be draw again, 'cause there are so many places and so many faces to know and to life, that we WILL find THE supreme sunshine.

sexta-feira, outubro 21, 2005

Like a Stone

On a cobweb afternoon
In a room full of emptiness
By a freeway I confess
I was lost in the pages
Of a book full of death
Reading how we'll die alone
And if we're good we'll lay to rest
Anywhere we want to go

(refrão)
In your house I long to be
Room by room patiently
I'll wait for you there
Like a stone I'll wait for you there
Alone

On my deathbed I will prey
To the gods and the angels
Like a pagan to anyone
Who will take me to heaven
To a place I recall
I was there so long ago
The sky was bruised
The wine was bled
And there you led me on

(refrão)
In your house I long to be
Room by room patiently
I'll wait for you there
Like a stone I'll wait for you there
Alone...

And on I read
Until the day was done
And I sat in regret
Of all the things I've done
For all that I've blessed
And all that I've wronged
In dreams until my death
I will wander on.

terça-feira, outubro 04, 2005

Aphasia-Away from you

Stuck in a memory of us
it's so hard to know that we're worlds apart
and I was so wrong to think this would all be so easy
but trust me I'll be back for more
until then I'll close my eyes
and your past will be safe with me here
forever

I dive into a world of fact and fiction
but I'm swimming in my own contradiction
in my fantasy you are here with me
and it makes my nights a little richer
I'm falling in love with a faded picture of you, my fantasy
you're here with me

you can say its alright
you can say you don't mind
it's killing me to be away from you
so you can say its alright
and you can say you don't mind
it's killing me to be away from your side

I'm done with hellos and goodbyes
I'm falling apart inside
I try to make you speak
but your beautiful, awkward silence falls on me

Its killing me to be away from
you are the burning in my throat
a gentle wisp of smoke
that ever quickly floats past my face
then you're gone, and I wish it wasn't true

sexta-feira, agosto 19, 2005

Obrigado!

Saiu à rua e disse obrigado.
Obrigado por ter nascido
Obrigado por não ter morrido
Obrigado
Mil vezes…

Obrigado a manter-se calado
Obrigado a ficar fechado
Sonhar acordado…
Não sabe porquê
Mas é obrigado…

Obrigado a sentir.
Obrigado a gostar
Sem saber o que dizer…
Enfim…obrigado!

Só pode falar em monólogos
Pode também falar com os olhos
“Entendem o meu olhar?”
“Obrigado”
“Não consigo falar”

Se algum dia tiver que partir
Sem mais nada a perder
Por ventura, cansado
Dirá um simples, “obrigado”!

domingo, agosto 14, 2005

O Urinol

Estava eu de ferias no Algarve, no meio de uma noite como outra qualquer, a pensar de mim para comigo. Até aqui tudo normal, afinal qualquer animal racional pensa. De repente deu-me vontade de fazer um chichi, no meio dos meus pensamentos e do mandamento fisiológico percebi que já estava a ficar um bocado aflito. Como não tinha outra solução, tive que acordar o meu irmão (coitado do puto, estava ali ao meu lado tão bem a dormir) …deve ser esquisito acordar-se só porque o gajo que está ao nosso lado quer mijar. Enfim, mas como infelizmente tenho dificuldades de mobilidade, era imperioso que o meu maninho fizesse a boa acção do dia: ir-me buscar o urinol, (mijador, pós amigos). Aflição dissipada e aguas totalmente vertidas. Que alivio desgraçado, (já houve quem me dissesse que era melhor que um orgasmo, acredito que sim…). Foi então que senti um peso na consciência. Pensem comigo: o pobre do urinol, desde sempre condenado ao ostracismo na casa de banho, já anda farto de me salvar a pele, tantas foram as vezes que estava lá para dizer “presente” sempre disposto a ajudar-me a acabar com as minhas aflições urinarias, o urinol e o meu herói, é o maior mártir que eu conheço, e que eu saiba é feliz, pois nem sequer reclama, é extraordinária a sua capacidade e disposição para ajudar os outros.
Mas existiram mais coisas marcantes nesta noite luminosa em que percebi o companheirismo existente entre mim e o meu urinol. Desde então dou-lhe os bons dias todas as manhãs, ele merece.É fabuloso podermos descobrir grandes amigos,às quatro da manhã de uma noite que parecia normal. Mas há algo mais para contar, como disse anteriormente. Quando acabei o serviço, o pobre do meu irmão, ensonado no meio da escuridão, pergunta-me onde esta o urinol para o levar de volta ao ostracismo (pobre coitado). Pá, eu limitei-me a dizer: - pronto, está aqui, toma! Mas como ele estava ensonado, só dizia, “onde…onde?”. Por fim lá achou o pobre do urinol e levou-o de volta. Que cena, estava a ver que tinha que dizer algo do género ao meu irmão, “olha, o urinol está quarenta e cinco graus acima do pé que tens mais à mão.” E eu que nunca fui bom a geografia. Enfim, eu e o meu irmão lá adormecemos depois de tão atribulado episódio. Foi o merecido descanso.
Desde então acordo todas as manhãs com a firme convicção de que não é o cão que é o melhor amigo do homem, como pensa a maioria. Pois então eu afirmo-me pertencente a uma minoria, e com orgulho defendo que o melhor amigo do homem, não é o cão, nem o gato, nem muito menos o gajo que vende as bolas de Berlim lá na praia onde estive!
Fixem a velha máxima.
Urinol, o melhor amigo do homem!

sábado, agosto 13, 2005

Mãe

Uma qualquer mãe passeia-se com seu filho pela rua. Iam os dois ao entardecer, unidos pelo enlace de duas mãos, a sorrir. Num plano mais distante vislumbra-se o pai da criança, que empurrava a cadeira de rodas onde esta seguira.
No meio daquele singelo passeio em família, a criança, em plena idade dos porquês, olha a mãe com ar de espantado,e pergunta-lhe com estranheza:
-Mãe, porque é que toda a gente olha tanto para mim?!
-Porque és tão bonito filho…!

quinta-feira, julho 14, 2005

Mim

Pergunto ao reino dos céus, de onde vim. Olho para o relógio, sem saber a que horas me fizeram. Esbaforido, petrificado, louco… Apetece-me correr, percorrer as entranhas deste mundo que não é meu, deste universo que não me pertence. Pois os gestos são sinais de um tempo que já não tenho. Os sentimentos: Não sei deles. Devem ter ficado presos, no trânsito de uma vida sem rumo nem vontade. Encarcerados, numa qualquer rua,sem saída…
Não tenho tempo para vadiar. Tenho a cabeça a girar!
Á procura...de ti!